Olá! Seja bem vindo ao nosso site. 

 23 de Maio de 2024

Um tribunal do Vietnã condenou uma empresária do setor imobiliário por um dos maiores casos de corrupção do país, com prejuízos calculados em US$ 27 bilhões de dólares (R$ 136 bilhões).

 

A bilionária Truong My Lan deverá ser executada por injeção letal. A sua defesa diz que vai recorrer.

 

Lan se delarou inocente, mas o tribunal rejeitou todas as alegações da executiva do grupo imobiliário Van Thinh Phat, acusada de fraudar o Saigon Commercial Bank (SCB) ao longo de uma década.

 

"As ações da acusada (...) minaram a confiança da população na liderança do Partido (Comunista) e do Estado", afirma a decisão do júri, divulgada pela imprensa estatal.

 

Lan foi uma das 86 pessoas indicadas no caso, um grupo que inclui ex-presidentes do Banco Central, ex-funcionários do governo e ex-executivos do SBC.

 

O julgamento, na Cidade de Ho Chi Minh, durou cinco semanas.

 

Lan e os outros 85 réus foram acusados por crimes que vão de suborno e abuso de poder até apropriação indébita e violação das leis bancárias.

 

Lan teria desviado US$ 12,5 bilhões (R$ 63 bilhões), mas os promotores afirmaram nesta quinta-feira que os danos totais causados pelo esquema alcançaram US$ 27 bilhões, o equivalente a 6% do PIB do Vietnã em 2023.

 

A empresária negou as acusações e culpou os subordinados.

 

Truong My Lan começou sua carreira ajudando a sua mãe a vender perfumes no mercado central de Ho Chi Min, segundo seu relato no tribunal.

 

Ela fundou a Van Thinh Phat, que atua no ramo imobiliário, em 1992. A empresa administra atualmente um vasto portfólio, que inclui diversos prédios, incluindo hotéis cinco estrelas e o Times Square Saigon, um edifício comercial de 39 andares que é visto como símbolo de prosperidade e modernidade em Ho Chi Min, a capital financeira e cidade mais populosa do Vietnã.

 

Lan e os demais réus foram detidos em meio a uma campanha nacional contra a corrupção.

 

Em sua declaração final ao tribunal na semana passada, ela diz que cogitou o suicídio. "Em meu desespero, pensei na morte", declarou Lan, segundo a imprensa estatal.

 

"Estou tão irritada por ter sido tão estúpida para me envolver neste ambiente empresarial muito feroz, o setor bancário, do qual tenho pouco conhecimento", disse.

 

 

 

 

 

 

Com informações G1

Últimas Notícias

Vídeo - Canal Livre

Clima / Tempo

Colunistas

Dicas das Estradas

Destaques

 

Parceiros do PDN